segunda-feira, 1 de junho de 2009

Pura Indiganação

Postagem idealizada em 21 de maio de 2009.

Não estou sabendo como começar. São tantas as idéias, tantas as palavras que desejo registrar, que não estou conseguindo ordená-las corretamente. Posso dizer apenas uma coisa, com a mais absoluta certeza: SÃO TODAS DE PURA INDIGNAÇÃO.

Acordei hoje, como em todos os demais dias, de uma forma muito preguiçosa. “Luto” de todas as formas possíveis para derrotar a inércia da cama: é despertador, celular (que uso a função Soneca uma centena de vezes), até a TV é convocada nessa luta diária.

Com a TV ligada, finalmente levanto. No ar, rola o programa da Ana Maria Braga com suas ótimas receitas (que estou sempre prometendo fazer pra minha mulher!), matérias variadas de assuntos totalmente amenos e alguns entrevistados (na grande maioria atores do elenco atual da Globo). Geralmente são entrevistas inócuas, que abordam assuntos sem relevância alguma, beirando a inutilidade. Contudo, ontem e hoje foi diferente. Ela trouxe para uma entrevista a mãe de um dos rapazes que foram ASSASSINADOS (e não tenho medo de dizer isso) por um deputado estadual do Paraná. No dia anterior, foi aquela entrevista fraca, mas hoje, ela abriu o programa dizendo que havia dado continuidade à entrevista e, solícita com o sofrimento e a luta daquela mãe, ela mostraria a conversa "informal" que a sua equipe continuou gravando - veja o vídeo abaixo.

O sono já não se fazia mais lembrar. Minha atenção era plena no relato da sra. Cristiane Yared à Ana Maria. Foram várias as "constatações" daquela senhora. Relatou que sofria ameaças (o que não é nada difícil de acreditar), tinha dificuldades de obter informações sobre as investigações, descreveu (procurar um sinônimo para relatou) as mentiras inferidas sobre o estado inicial do deputado - que diziam estar em estado grave, quando na verdade seu estado não é nada grave, já que o veículo que ele dirigia, ou melhor, pilotava, era blindado; claro, né... um REI tem que ser protegido. Descreveu o estado do carro do filho e acrescentou que (pasmem) a cabeça do rapaz foi encontrada a 40 metros do local da colisão. 40 metros!!!

Que sofrimento para essa mãe. Ou melhor, dessas mães. A outra não esta aparecendo muito. Não sei se por ser uma pessoal de pouca instrução e posses, não está conseguindo fazer barulho ou já recebeu um "cala boca". Não duvido de nada, levando em consideração que o principal envolvido é um semiDeusputado.

E nós? Mais uma vez vamos assistindo sem grande reação. Estarrecidos até a próxima notícia. Claro, os telejornais não dão a devida notoriedade ao caso. É mais vantajoso mostrar o futebol, não!?! O velho "Pão e Circo", ainda funciona. Óbvio que com uma nova roupa. É uma notícia de morte brutal, desvios fenomenais, roubos apocalípticos, seguidos de uma notícia do Inter ou Grêmio ou Corinthians.

Pra que ter uma população enlouquecida querendo justiça? Pra quê?

Por falar em justiça, a do nosso país está sofrendo um blackout. A Justiça é cega, surda, muda e corrompidamprometida (mais não conosco, claro!). Pode ser com um amigo de um grande empresário, algum político qualquer ou, até mesmo, o próprio corporativismo do poder judiciário.

Vemos tudo isso – e muito mais! - e ficamos quietos, calados! Só servimos pra trabalhar (enriquecendo os grandes empresários) e votar (numa corja de corruptos). Escândalo, após escândalo. Barbárie após barbárie, vamos sem reação.

Não! Vamos nos mexer! Lotar as caixas de mensagens dos jornais, exigindo que eles detalhem mais as notícias, que clamem, cobrem as devidas punições. Abarrotar os deputados estaduais do Paraná – bem como o dos deputados federais, senadores e vereadores) , obrigando-os a caçar o mandato do tal desputadinho, e não tem que ser dado tempo para defesa, não. Para o que ele fez não existe defesa, está explícito. Caso contrário vai acabar impune, ou melhor, em pizza.






Um comentário:

Carol e César disse...

Tenho que concordar: somos acomodados, hipócritas, ignorantes e continuamos sentados sem fazer nada pra mudar esta realidade.